Friday, November 03, 2006

Timor do Norte a Sul

Para Além de outro oceano
(Fernando Pessoa)

Num sentimento de febre de ser para além doutro oceano
Houve posições dum viver mais claro e mais límpido
E aparências duma cidade de seres
Não irreais mas lívidos de impossibilidade, consagrados em pureza e em nudez
Fui pórtico desta visão irrita e os sentimentos eram só o desejo de os ter
A noção das coisas fora de si, tinha-as cada um adentro
Todos viviam na vida dos restantes
E a maneira de sentir estava no modo de se viver
Mas a forma daqueles rostos tinha a placidez do orvalho
A nudez era um silêncio de formas sem modo de ser
E houve pasmos de toda a realidade ser só isto
Mas a vida era a vida e só era a vida

*******



Este sitio destina-se a troca de impressões e mensagens entre todos os que se interessam por Timor-Leste. É um blog aberto a todos os que de forma positiva queiram participar com algo que nos faça ter orgulho da nosso trabalho, das nossas raizes e acima de tudo da nossa existência como seres humanos.
Se é poeta, ensaista, contador de histórias, pois partilhe com os leitores do Timor de Norte a Sul.
Em Português, em Tetum ou em Inglês. Timor do Norte a Sul é seu....

43 comments:

Malai Azul said...

Olá Maracuja!

O seu blog funciona :)

Agradeço a sua participação no Timor-Online e força para este seu espaço.

Um abraço.

Maracuja Maduro said...

Obrigado Malai Azul pelo seu feed-back

Robiana Florencio said...

De certesa que vou participar neste seu blog Maracuja. Ja passei o enderço a várias pessoas que gostam de escrever poemas. Acho uma iniciativa positiva , porque Timor/Leste não é só política

Joao said...

Convidam-se todos vós a visitar
http://timorcartoon.blogspot.com

António Veríssimo said...

Caro Amigo

Parabéns pelo seu blog!
Gosto bastante de poesia e acho que irei procurar colaborar no seu "Timor do Norte a Sul".

A poesia é o lado bom da vida!

Um abraço

Maracuja Maduro said...

O meu peito doi!
de amargo e solidão
de saudade,
de amor,
de desespero,
saudades
paz perdida
Meu peito doi!

Maracuja Maduro said...

Caro António Veríssimo.

Que bom participar neste blog. Assim vamos poder divuogar os valores que vivem á nossa volta. Tanta gente j]a me disse que vai participar.

Obrigada pelo seu comentário

Anonymous said...

Ser poeta não e´só escrever poesia. 'Quano mim o sentir a poesia também faz de mim e de ti um poeta.

Adoro Florbela Espanca. Como tal aqui vai o seu poema
"SER POETA"
Florbela Espanca
Ser Poeta

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Áquem e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!


Que tal meus amigos ! Se o Maracujá mo permitir a minha participação neste blog será passar aqui os meus poetas e poemas preferidos.

Sou Poeta sem saber escrever poesia .

Maracuja Maduro said...

concertesa meu amigo :

Foi por isso é que criei este blog.

Força, Para a frente. Passe este o endereço deste blog a outros . Gostaria tanto de ver poemas vossos publicados aqui, da vossa autoria , com pseudonimou ou seu nome verdadeiro , partilhe connosco

Um abraço

Maracujá

Anonymous said...

Desalento

Poema de-Vinicius de Morais

Sim, vai e diz
Diz assim
Que eu chorei
Que eu morri
De arrependimento
Que o meu desalento
Já não tem mais fim
Vai e diz
Diz assim
Como sou
Infeliz
No meu descaminho
Diz que estou sozinho
E sem saber de mim



Diz que eu estive por pouco
Diz a ela que estou louco
Pra perdoar
Que seja lá como for
Por amor
Por favor
É pra ela voltar



Sim, vai e diz
Diz assim
Que eu rodei
Que eu bebi
Que eu caí
Que eu não sei
Que eu só sei
Que cansei, enfim
Dos meus desencontros
Corre e diz a ela
Que eu entrego os pontos

Espero que gostem desta minha escolha. Eu adoro a poesia de Vinicius de Morais

Anonymous said...

Cântico negro

José Régio


"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?


Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.


Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...


Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.


Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!

António Verissimo said...

Caro Maracujá

De poeta nada tenho mas permita-me que cumpra a minha promessa o melhor que posso.
O meu contributo é muito modesto mas é sentido.
Um abraço.


POESIA DA TRETA

Norte, sul, sul, norte
Nascente ou poente
Que importam os pontos cardeais
Se de todo os lados vem a morte
Que ceifa a vida da gente
Vimos morrer gente demais
Comportam-se como os amantes
Entrelaçados nos…ais
Da morte que não se sente
Mandada pelos governantes
Que como na penumbra de antes
Se saciam na morte da gente

Maracuja Maduro said...

Meu caro Antonio Verríssimo

Ser poeta é isso mesmo, falar do seu sentir sentindo sem pensar em mostrar o que não tem.
Quanto a mim o que esccreveu tem sentir de gente que sente a dor que nós vivemos neste momento .

Na passagem do seu poema :

“Que importam os pontos cardeais
Se de todo os lados vem a morte
Que ceifa a vida da gente
Vimos morrer gente demais”

Pois quem não sente esta dor que de momento nós os que amamos Timor-Leste sentimos.

Tocou-me no coração e creio que também dos que lêm este blog.

Vamos promover este blog e convidar mais gente poeta a participar nesta página com poesia em verso ou em prosa.

Obrigado pela sua participação

Anonymous said...

DO TIMOR DO NORTE A SUL
MARACUJA MADURO POETA
DO VERDE,VERDINHO VINHO
QUE EMBEDEDA O MEU ETECETERA

JA ATINGISTE 13 COMENTARIOS
A FERROS E FOGO DE ARTILHARIA
QUANDO COMPLETARES UM ANO
COMEMORAREMOS A ANARQUIA

CONTRATA A MANA MARGARIDA
PARA PREENCHER ESTE DESERTO
POIS ELA PALHA ESCARAFUNHA
E O MALAI DA COR DO CEU E ESPERTO

O MARI QUE ESTA DESEMPREGADO
E TAMBEM ESCREVE "AL DENTE"
CONFORME LI NO OUTRO DIA
QUER O MATAN RUAK PR'A PRESIDENTE

TIMOR PAIS DE GRANDES POETAS
DE SONHADORES E ESCRITORES
MAS DE FRUTA SO MESMO MARACUJA
MARACUJA DOS MEUS TREMORES


UM ABRACO

MAU DICK
(IMPLORADOR PARA MAIS COMENTARIOS
PARA O SITE DO MARACUJA)

Maracuja Maduro said...

Obrigado Mau Dick . Pela tua participação aqui no blog.

Vamos lá a ver se os nossos escritores e poetas escrevem . Como diz Fernando Pessoa " A minha Pátria é a Língua Portuguesa" . Mas para os que escrevem em outras linguas ( Tetum especialmente) podem e devem participar . Eu creio que é uuma forma de sentirmos o nosso Timor-Leste, a Lingua de Camões e os nossos irmãos dos CPLP mais proximos. Poesia , em "verso ou prosa" apróximam-nos!


Obrigado

Maracujá

Maracuja Maduro said...

António Veríssimo disse:


De poeta nada tenho mas permita-me que cumpra a minha promessa o melhor que posso.
O meu contributo é muito modesto mas é sentido.
Um abraço.


POESIA DA TRETA
de ANtónio Verissimo


Norte, sul, sul, norte
Nascente ou poente
Que importam os pontos cardeais
Se de todo os lados vem a morte
Que ceifa a vida da gente
Vimos morrer gente demais
Comportam-se como os amantes
Entrelaçados nos…ais
Da morte que não se sente
Mandada pelos governantes
Que como na penumbra de antes
Se saciam na morte da gente

Anonymous said...

PUDIM DE MARACUJA

SEIS MARACUJAS MADUROS
TRES OVOS
2,5 DL DE LEITE
2,5 dl DE NATAS
50G DE MANTEIGA
125G DE ACUCAR
40G DE FARINHA

CORTAM-SE OS MARACUJAS E COLOCAM-SE NO FUNDO DE UMA FORMA UNTADA.BATE-SE UM OVO,JUNTA-SE O ACUCAR, A FARINHA E DEPOIS OS OUTROS OVOS BEM BATIDOS.LEVA-SE O LEITE A FERVER E VERTE-SE SOBRE A MASSA.LEVA-SE AO LUME PARA ENGROSSAR.JUNTA-SE A MANTEIGA E AS NATAS.VERTE-SE A MASSA SOBRE OS MARACUJAS E LEVA-SE AO FORNO PARA COZER.

BOM APETITE

(MARACORUJA MESTRE PASTELEIRO DO HOTEL DE UM MILHAO DE ESTRELAS)

Anonymous said...

Catulo da Paixão Cearense
A FLOR DO MARACUJÁ
Encontrando-me com um sertanejo
Perto de um pé de maracujá
Eu lhe perguntei:
Diga-me caro sertanejo
Porque razão nasce roxa
A flor do maracujá?

Ah, pois então eu lhi conto
A estória que ouvi contá
A razão pro que nasci roxa
A flor do maracujá

Maracujá já foi branco
Eu posso inté lhe ajurá
Mais branco qui caridadi
Mais brando do que o luá

Quando a flor brotava nele
Lá pros cunfim do sertão
Maracujá parecia
Um ninho de argodão

Mais um dia, há muito tempo
Num meis que inté num mi alembro
Si foi maio, si foi junho
Si foi janero ou dezembro

Nosso sinhô Jesus Cristo
Foi condenado a morrer
Numa cruis crucificado
Longe daqui como o quê

Pregaro cristo a martelo
E ao vê tamanha crueza
A natureza inteirinha
Pois-se a chorá di tristeza

Chorava us campu
As foia, as ribera
Sabiá também chorava
Nos gaio a laranjera

E havia junto da cruis
Um pé de maracujá
Carregadinho de flor
Aos pé de nosso sinhô

I o sangue de Jesus Cristo
Sangui pisado de dô
Nus pé du maracujá
Tingia todas as flor

Eis aqui seu moço
A estoria que eu vi contá
A razão proque nasce roxa
A flor do maracujá.

Anonymous said...

O MAR CHORA BAIXINHO
O VENTO SOPRA DE POPA
O LORIKO VOA EM MISSAO
TRAS NOTICIAS DA CACHOPA

UM CHEIRO A MARESIA
LA PARA OS LADOS DE BIDAU
OS BEROS ACABAM DE CHEGAR
TRAZEM MONTES DE CARAPAU

CARAPAU DE CORRIDA
A CURAR-SE EM PORTUGAL
VAI VOLTAR RAPAZ NOVO
COM PERFIL DE PASTORAL

PASTORES PRECISAM-SE
PARA EDUCAR O GANGANAL
O CCF SO TEM DOUTORES
DIZ XANANA, O GENERAL

SE ISTO NAO E POESIA
VOU ARRUMAR A CANETA
DEDICO-ME ENTAO PESCA
OU A NEGOCIO DE MARRETA


UM ABRACO

MAU DICK

Anonymous said...

Caro Mau Dick:

Quem disse que o escreves não é poesia? Se o sentes , quer fales de carapaus , de corrrido ounão é poesia. Poesia não necessita de rimar! Poesia também ´quando não se fala de amar o amante....

Força p'ra frente porque o Bocage tamb´m tem poemas que não falam de amor....

Anonymous said...

ESTE POEMA E DEDICADO A "TIA" CRISTINA.(CONHECI A TIA CRISTINA
HA 36 ANOS EM DILI)

ENTRE VARIOS VERSOS QUE RECITAVA
LEMBRO-ME DE:

BANANA BANANEIRA
BANANA DE FOGUEIRA
AMOR ANTES DE TEMPO
AGORA JA NAO HA



MULHER TIMOR DE CABELOS BRANCOS
HUMILDE E SEMPRE SORRIDENTE
ESTE MEU DESEJO ARDENTE DE POETA
TEUS VERSOS MARCARAM PARA SEMPRE

AINDA EU ERA UMA CRIANCA
MAS ME LEMBRO ALEGREMENTE
QUE UM VERSO DA TIA CRISTINA
TRAZIA UM SORRISO A MUITA GENTE

POESIA SIMPLES DE MUITO VALOR
QUE PERDURA UMA ETERNIDADE
MULHER TIMOR DE CABELOS BRANCOS
ADMIRO MUITO A TUA SERENIDADE

NUMA ILHA DO ORIENTE
A QUE CHAMAMOS TIMOR
VIVEU A TIA CRISTINA
A POETISA DE VERSOS DE AMOR

UM ABRACO

MAU DICK

Maracuja Maduro said...

Bonito poema dedicado á tia Cristina .

Como ela muitos velhos de cabelos brancos com ar sereno dão-nos algum socego e muita calma para poderarmos/

força. Vai também á primeira pagina onde republico os poemas .



Um abraço

Maracuja

Anonymous said...

Nasci no alto de FATU METAN!
Meu Pai era lá das Beiras.
Minha de um outro monte
lá para os lados das fronteiras...
Vivi anos lá na aldeia
onde a saudade era dor
Dor por ver o monte
lá para os lados das fronteiras
nas terras de Timor!
chorando sangue ...
por a fronteira
não mais ser fronteira ....


Manecas

Anonymous said...

ESTES VERSOS SAO PARA O MEU AMIGO
MANECAS(OLIVEIRA?) DE FATU METAN


31 ANOS DE SOFRIMENTO
A DERIVA E SEM PARAR
O PETROLEIRO "TIMOR LESTE"
PRECISA DE GENTE QUE O SAIBA AMAR

MAS FOI BONITO NO MINIMO
VER TODA AQUELA FANFARRA
O SR PRESIDENTE, AS MEDALHAS
E O REINADO QUE NINGUEM AGARRA

O XAVIER DO AMARAL AGRACIADO
COM A MAIS ALTA CONDECORACAO
E O MARI ALKATIRI EM PORTUGAL
A SOFRER MUITO DO CURACAO

A MEDALHA DO "BATAR KULIT"
PARA O AMIGO POVINHO MEU
QUE CONTINUA A SOFRER TANTO
EM ATAURO, OE-CUSSE OU AILEU

NO ESTADIO MUNICIPAL DE DILI
JOGUEI FUTEBOL E APANHEI MANOLIN
AS EQUIPAS ALINHARAM DESFALCADAS
FALTARAM AS VEDETAS DA FRETILIM

O ARBRITO SENHOR GUSMAO
APRESENTOU CARTAO ENCARNADO
O SECRETARIO GERAL FOI DESPEDIDO
FOI PARA PORTUGAL AMUADO

MAS VEM AI UM CRAQUINHO
PARA O ANO DE DOIS MIL E SETE
CHAMAM-LHE O SENHOR AUTOMATICO
TRAS MUITAS PISTOLAS E CASSETETE

UM ABRACO

MAU DICK

Anonymous said...

Maracuja maduro!

E que tal recordar todos estes "poemas" de "Poetas" que gritavam em voz alta o que lhes ía na alma numa altura em que todos gritavam pela independência de Timor.
Desculpe-me este abuso mas acho que vale a pena rever:
Xanana Gusmão's poem
"A Fighter Who Fell"
High on the mountain peaks of Timor
The grass grows
And warms the fractured bones
Of a fighter who fell

Down on the grassy plains of Timor
A flower shows
And beautifies the bones
Of a fighter who fell

This is the hopeful life that grows
From life's release
The life that every woman knows
Who calls for peace
With every waking breath
But not the peace of death

Throughout the peaks and plains of Timor
The life-bloood flows
And animates the bones
Of the fighters who fell

Xanana Gusmão
(originally written in Portuguese)
English translation by Agio Pereira & Rob Wesley-Smith; versification by Peter Wesley-Smith


--------------------------------------------------------------------------------

Duzentos resistentes?
Como é possivel serem só 200?
Oh Gente! se me ouvem:
Oiçam o meu grito de revolta.
Como eles mentem!!!
Como eles temem dos 200.
Há quantos anos andam eles a lutar
contra os 200 guerrilheiros,
com dezenas de batalhões,
eles não conseguem acabar.
Porque em todos os Timorenses
Vejo um resistente!
um rosto de lutador!
Só 200? Não são?
Somos todos!
quer queiram quer não.
Somos Todos por Timor
Por um Timor livre...
Por um Timor Independente.
Há quantos anos a lutar?
Até o último a tombar.
Com todo o fervor
Timor irá gritar.
O HINO DA VITÓRIA
VIVA TIMOR!
TIMOR DOS TIMORENSES...

Ramehana Ailatan
9/June/1997


--------------------------------------------------------------------------------

Timor!
Eu quero cantar e gritar!
e,
quando poderei cantar?
quando poderei gritar?
Por ti Timor!
Hoje, amanhã e sempre,
até que em Timor,
possamos cantar
o HINO DA VITÓRIA.
e gritar,
TIMOR ESTÁS LIVRE.
A VITÓRIA QUE JÁ CHEIRA...
PARA TI TIMOR
COM AMOR

Ramehana Ailatan
6/June/1997


--------------------------------------------------------------------------------

Canta liberdade!
Deixa que o Sol se ponha! Que a Lua sorria!
Deixa que as bátegas
da chuva,
inundem a tua floresta,
banhem as tuas terras...

Deixa que o orvalho da manhã,
faça florir a tua selva...
a tua casa...o teu abrigo...
É lá que vives,
sofres,
amas,
sonhas....!

É lá,
nessas montanhas...
nesses rochedos...
nessa selva...
com o orvalho da manhã!
com o por do sol!
com o sorriso da Lua!
que tu contornas e moldas...
dia a dia...
noite a noite...
a estátua final da LIBERDADE..!
para a tua TERRA...
para a nossa TERRA...

Felizardo Guerra
Abrantes, 17/June/1997


--------------------------------------------------------------------------------

Até à vitória final!
Por dentro da noite escura... pl'a calada da noite....
caminha,...
O IRMÃO...
que procura,
outro IRMÃO!

Juntos,
caminham...
ao abrigo da noite amiga...
e JUNTOS...
procuram....
OUTRO IRMÃO!

e,
assim....
vão caminhando....
procurando....
encontrando...
e,
cada vez mais,
IRMÃOS,...
se juntam...caminham..

e,
já não é um!
nem dois...
nem três...!
são milhares..!

e,
aos milhares,
lutam,
sofrem,
morrem,
Choram..!

Mas,
juntos,
aos milhares...
UM DIA VENCERÃO..!
E A VITÓRIA FINAL CHEGARÁ..!

TIMOR...
SERÁ LINDO...
COMO O SORRISO DO LUAR..!
QUENTE COMO O RAIO DO SOL..!

Felizardo Guerra
Abrantes, 14/June/1997


--------------------------------------------------------------------------------

Morrer por Timor!
Morrer é viver, morrer é resistir
É ter a força de transmitir aos que cá
ficam que é preciso continuar...
morrer, é a unica coisa que temos como
certa na vida..
Mataram David Alex!
Ele nao morreu para nós como povo...
Mataram-no!
Como ontem,
mataram outros menos conhecidos
que também lutaram,
e qual foi o resultado?
Mais Davids Alex vão aparecer,
nesta longa e dura luta
Na longa vivência de luta
soube transmitir:
os valores da resistência,
os valores de lutar até
conseguirmos o nosso objectivo..
Não vai desaparecer das nossas mentes
e quanto mais matarem
quanto mais tombarem,
mais iremos resistir.
Grito de revolta constante
da nossa parte contra aqueles que tem o poder...
e que não nos querem ouvir..
Oh senhores do mundo será que nos ouves?
Porque não nos escutam?
Este é o nosso preço?
O nosso sofrimento,
A morte de líderes
de comandantes de
resistentes anônimos?
Não queremos morrer!
não queremos sofrer!
lutamos pela liberdade
por aquilo que e só dos Timorenses
por Timor livre...
E é com muita garra
que grito.
Viva Timor...
A Vitória chegará.
E Timor será livre...

e não se esqueçam daquele fado Portugues onde Carlos do Carmo canta:
... por morrer uma andorinha não se acaba a primavera...

Ramehana Ailatan
28/June/1997


--------------------------------------------------------------------------------

Novembro em Timor
De Novembro também se diz
Que é mês dos mortos...

Em timor,
de Novembro, só sabemos
Que acontece todos os dias...

Não é morrer que nos assusta.
O que nos angustia
É sabermos
Que Novembro
Pode ser vazio...

Passam as minutos,
Passam as noites,
Passam os anos
E podem passar as gerações...

Só quando morrer mesmo
o último Timorense com vontade
De ser livre
Então, teremos perdido definitivamente
Uma causa que,
à luz dos nossos horizontes,
É justa!!!

Crisódio Marcos


--------------------------------------------------------------------------------

Lembranças propositadas
Sinto ainda o cheiro do
sândalo e lembro o aroma vértil no reinício da
vida e a expectativa de
colheitas abundantes.

Lembro também coisas belas
no seio das famílias
humildes plantadas no solo
timorense.

Lembro o Natal herdado,
o café sempre presente,
o arroz, o milho, o búfalo...

Tudo numa harmonia que
escapava à percepção
porque a ecologia é útil,
não é poesia.É sobretudo expressão de viver!

Lembro ainda o Natal sem prendas,
sem fartura...
Lembro um Natal herdado,
certo, um Natal só com um presépio,
a partilha de uma noite ou um dia,
um Menino e doces,
canções pedindo a companhia dos anjos ou
que se repetisse a magia
de Belém.

É que encanto pode vir
tão só de uma noite de
pobreza cantada ou de um
minuto preso à esperança
de dias belos!

Crisódio T. Araújo


--------------------------------------------------------------------------------

Away across the Timor Sea
We fought for our country,
we fought and loved and died;
we wrote of our country,
and sang our songs and died,
and come again, to find it vain
that we have warred across the sea
for promises of decency forgotten.

We cannot hold our heads up high,
we can no more with honest eye
say we did not let them die
across the Timor Sea
when, had they held, our promises
and courage could have saved the lives
of those more brave and trustworthy than we.

F.C.
1992
(written from the point of view of Australian soldiers who fought the Japanese in East Timor during the Second World War)


--------------------------------------------------------------------------------

Timor
É de Timor que vem
O grito da esperança
É de Timor que vem
O sim estridente da metralha
É de Timor que vem
A pátria que não se alcança
É de Timor que vem
O rugido da canalha

Timor

Um dia te farás
Do sangue
Ressurgirás

Helena Monteiro
Lisboa, 2 de Fevereiro de 1999


--------------------------------------------------------------------------------

Emancipação
Cansadas já da canga
e da indignidade do silêncio,
e fartas do horizonte encurtado
por panelas e roupa p'ra lavar...

As mulheres ergueram o "surik"
para o céu
e começaram a pisar o chão com firmeza.

Afonso Busa Metan
[afonsobusametan@hotmail.com]


--------------------------------------------------------------------------------

Ainda
Ah, não!
Não e não e não.

Ninguém ouse tentar,
lá do alto do seu poleiro,
logros ou falinhas mansas.

Crista alta, esporão em riste,
este galo não sai do terreiro,
e o combate só termina
(se terminar...)
quando os cães se forem
e o chão for nosso.

Viva Timor Leste!

Afonso Busa Metan
[afonsobusametan@hotmail.com]


--------------------------------------------------------------------------------

Botas de Borracha
Dentro das tuas botas de borracha fizeram teus pés calo e ferida,
mas também desenharam o mapa da tua terra timor
e sentiram o formigueiro que precede o combate.

Não importa por isso se às vezes quiseste que as botas
tivessem asas,
quando o coração disparava
e rezavas alto para que as munições continuassem a
assobiar-te aos ouvidos
em vez de te perfurarem o corpo magro.

E agora quando descansas oculto no matagal
sorris pensando que um dia irás oferecer as botas a um museu.

Afonso Busa Metan
[afonsobusametan@hotmail.com]


--------------------------------------------------------------------------------

Por Ti(a)mor, por Timor
Linda,
esta terra
é linda
E o seu povo
é mais ainda

Por Ti(a)mor, por Timor
Não bastam falsas palavras
Hipócritas, vestidas a rigor
É preciso ir além da dor
Navegar por sobre
As águas do mar
Encurtar distâncias
E o sonho defender
É preciso amar
A vida sem temor
Por Ti(a)mor
Por Timor
Ser solidário
É um dever

Liberdade

Lindo,
este sonho
é lindo
E esta gente
é mais ainda

Martinho Branco
Entroncamento-Portugal – 30 de Agosto de 1999
[ccerrecham@mail.telepac.pt]


--------------------------------------------------------------------------------

Desculpa, Timor
Desculpa, Timor
um dia fomos ter contigo,
mas nem sempre fomos teu amigo,
desculpa, Timor.

Foram séculos de convivência,
conheceste a nossa civilização,
d'outros tivemos independência,
mas tu,
Timor,
ainda não!

Desculpa, Timor,
mas, agora, sabemos a verdade,
copiáste o nosso amor à Liberdade,
e queres,
como nós:
a tua Independência!

Longe um do outro,
mas perto pelo coração,
tu sabes que Portugal,
e não outro,
é País teu irmão!

Desculpa, Timor,
este amor!

Silvino Taveira Machado Figueiredo
[mop49886@mail.telepac.pt]


--------------------------------------------------------------------------------

Brava gente de Timor
Timor,
País distante para nós
Nunca vimos um de vocês pessoalmente,
Mas somos teus irmãos
Embora vivendo longe
No Brasil.
Vivemos longe mas temos os mesmos nomes,
A mesma língua,
Talvez o mesmo povo sofrido.
Vivemos longe,
Mas suspiramos por ti
Timor,
Suspiramos todas as vezes que sabemos
Que teu povo é massacrado,
Massacrado por vizinhos que lhe deveriam ser solidários
No sofrimento, na angústia, no desespero.
Timor
Que Deus o abençõe e tenha misericórdia de Ti.
Não poderá haver tranquilidade
Em parte alguma da comunidade das nações
Sejam descendentes de Portugueses ou de outras nações,
Enquanto não vermos o
Teu povo feliz,
Tuas crianças brincando como em qualquer outra nação,
Tuas mulheres falando livremente como em qualquer país livre,
Teus homens orgulhosos do solo que lhes deu origem,
Teu povo compreendido,
Teu povo agradecido,
Tua bandeira junto as demais nações,
Porque Timor tua perseguição,
Origina-se no fato de quererem serem simplesmente Timonenses,
De quererem adorar ao seu próprio Deus,
De quererem serem simplesmente voces,
Assim como o são as demais nações.
Por isso Timor
Receba nossa compreensão,
Estaremos chorando com os que ai choram
Na esperança
De sorrir com os que irão sorrir,
Não foi assim que nos ensinou Jesus?
Não é também por ele que voces sofrem?
E como Nele cremos
Não é também nosso o Teu sofrimento?
Será, portanto, nossa também
A tua paz,
A tua alegria,
A tua LIBERDADE.

Teus amigos do Brasil
Carlos Siqueira
[surea@uol.com.br]


--------------------------------------------------------------------------------

Timor Loro Sae
Neste momento somos irmãos
Selando nosso pacto entre as minhas lágrimas
E o horror da tua inocência violentada.

Timor Loro Sae escreve-se com sangue de heróis
Escreve-se com o horror inaudito da esperança aniquilada
E a indiferença do olhar prepotente dos que não sabem
O que é ter honra nem um nome para a verdade.

E porque Loro Sae é teu sonho
Mas também o meu e de todos os que te acolhem no exílio
Continuemos a gritar esse teu nome
E de uma vez por todas façamos ouvir essa voz
Nascida do silêncio de um dia mas votada à mais bela das grandezas
O nome inolvidável de um povo defrontando a morte
Em nome de uma honra para sempre salva
Para sempre livre.

E porque Loro Sae se escreve com o sangue dos seus heróis
Tomemo-la como o paradigma da pátria
Onde a voz se ergue livre e indomável
Aniquilando para sempre os seus traidores
Aniquilando para sempre os cobardes
Deixando-os a navegar no esterco da sua cobardia
Esses que um dia julgaram poder assassinar a voz da liberdade.

Maria João Cantinho
Vila Franca de Xira, 6/09/99
[Arquicunha@mail.telepac.pt]


--------------------------------------------------------------------------------

The Four Horsemen
Again the second horseman
On his horse of red
Moves his swod across their land
Bringing death and dread
Before him goes the white horse
Behind him goes the black
Then at last the pale horse
With death upon his back
And all of Hades follows
This foursome as they go
And the lamb cannot protect them
He no longer runs the show
So we must stop this evil
This Indonesian curse
And help the Timorese people
Before the toll gets worse

Brian Whitefield
7th September 1999
[pegasus_@primus.com.au]


--------------------------------------------------------------------------------

Olhos que ardem
Vemos televisão,
ouvimos rádio
lemos jornais
e ficamos de olhos molhados,
com uma humidade
que o sol de Lisboa
não dissipa.
Ficamos a sentir-nos
muito pequeninos,
a querer estender a mão
e agarrar Timor pelo colarinho,
sacudir-lhe o pó e restituir-lhe,
devagarinho,
a dignidade e paz merecidas.
A cor vermelha
que hoje tinge o chão
será um dia a cor
do pulsar de todos
os corações livres
em Timor Lorosae.

Carla Pedro

António Veríssimo said...

Então, amigo Maracujá essa produção poética anda um pouco parada, faz favor de não esmorecer por não haver tanta colaboração quanto a desejada.
Permita-me uma sugestão: talvez fosse interessante, para além da poesia ser aqui apresentada por todos que queiram também se insertirem biografias e pequenos textos em prosa que nos permitissem ficar a saber um pouco mais de alguns poetas e poetisas e até de outros autores menos conhecidos mas sempre interessantes.
Isto é só uma ideia...
Esta semana faleceu um grande poeta português, Mário Cesariny. Pessoa de 83 anos e muito conhecido em poemas adaptados a canções. Mas também foi autor e adaptador de peças de teatro radiofónico na antiga Emissora Nacional de Portugal, entre imensas obras que nos deixou.
Por agora envio um abraço e o desafio para que os poetas de Timor-Leste e no mundo, principalmente no mundo lusófono, soltem a veia poética e nos encantem...
Por mim irei esmerar-me o melhor que sei e colaborar neste meu desafio a todos vós.

Um grande abraço aos que visitarem o Timor do Norte a Sul.

Um abraço especial ao Maracujá e... força!

Maracuja Maduro said...

Sim António Verissimo:

Concordo consigo e devo dizer que este tipo de trabalho é o que eu estou à procura, porque falar de politica e ataques aos politicos pois que se façam nas sitios apropriados...Aqui pois vamos promover todo aquele que tem valor humano, talento e sobretudo amor ao próximo. Estou cansado de ver tanta injustiça, tanta violencia e tanta inveja. O nosso mundo tem que ir p´ra frente com gente que se preocupa com o resto do pessoal.

Vamos então promover os nossos valores.

Temos tanta gente talentosa, com valor e sabedoria no nosso mundo de Lingua Portuguesa, por eles vamos lá divulga-los.

Vamos aos nossos poemas e nossas prosas e biografias e fotografias ...que tal António Verissimo. E quero ir pra frente. Durante esta semana pouco fiz porque estive doente com gripe e lhe digo, com febres altas que até pensei que fosse voar com a gripe aviária. Até sonhei que estava no paraiso....seria bom!


Um Abraço

Maracujá

Anonymous said...

Oh Mau Dick:

Bem que gostaria de saber quem tu és. Da uma diga para eu ver se és o amigo que penso ser.

Para o meu amigo Mau Dick aqui vai a resposta ao seu poema ( até podemos fazer uma desgarrada se quiseres) pois aqui vai :

Mau Dick ,
não só de Fatumeta
mas também de Fatu-Hada.
Do liceu para o aeroporto
lá andavas meio torto...
Lá amigo eras.
Cirandavas pela Fatu Meta
...o teu fito era outro
Parar na Fatu Hada !...
Bem querias que fosse tua
Mas não...
essa era minha essa amada..
Mau Dick ! Mau Dick
De motorizada ...
Camisa azul riscada
Tudo por causa da minha amada...


Ora diz lá se acertei em cheio ou não!...


Um abraço do

Manecas ( Manecas de Fatumeta e que perdeu a Fatu - Hada)

Maracuja Maduro said...

Homenagem ao Poeta Timorense, Francisco Borja da Costa, morto no dia 7 de Dezembro de 1975, quando a Indonesia invadiu Timor.

Francisco Borja da Costa é filho do liurai António Costa .
È natural de Manaturo.

Estudou em Soibada a escola primária, e depois fez o ensino secundário no Liceu Dr Francisco Manchado.

Francisco Borja da Costa, é o autor da letra do Hino Nacional de Timor

Aqui vai:

Letra de Borja da Costa
Musica de Afonso de Araujo

Pátria, Pátria, Timor-Leste, nossa Nação.
Glória ao povo e aos heróis da nossa libertação.
Pátria, Pátria, Timor-Leste, nossa Nação.
Glória ao povo e aos heróis da nossa libertação.
Vencemos o colonialismo, gritamos:
abaixo o imperialismo.
Terra livre, povo livre,
não, não, não à exploitação.
Avante unidos firmes e decididos.
Na luta contra o imperialismo
o inimigo dos povos, até à vitória final.
Pelo caminho da revolução.

Anonymous said...

MANECAS AMIGO MEU DE FATU METAN
A MINHA AMADA GREEN CAPE FLOWER
A FLOR MAIS BELA DO BANANAL
AO CHEGAR A CASA DO CORTINHAL

SOU DO TEMPO DO ZE DA COSTA
DA PEDREIRA E DOS TIJOLOS
AINDA ERA BASTANTE MOCO
MAS POSSUIDOR DE GRANDES MIOLOS

VIVIA NO BAIRRO DOS GRILOS
ESTUDEI NA ESCOLA TECNICA E LICEU
FIZ PARTE DA FAMOSA TURMA ESPECIAL
E ERA AFILHADO DA LINDALVA ABREU

NAMORISQUEI NO BAIRRO PITE
QUERIA A PRINCESA DO HORNAY
MAS O PAIZINHO DISSE QUE NAO
FUI A VILA VERDE A CASA DO LAY

NO CRUZAMENTO DE BALIDE
A SEVERINA SEMPRE AMEI
MAS FIZ UM ERRO DE JULGAMENTO
E UMA GRANDE TAMPA LEVEI

SOU FORMADO EM ELECTRIDIDADE
MAS NUNCA UMA LAMPADA PUS
QUERO VIVER PARA A ETERNIDADE
SOU ADEPTO DO ESTADIO DA LUZ

UM ABRACO

MAU DICK

Maracuja Maduro said...

Caro amigo Mau Dick :

Obrigado pela tua participação aqui. Vai tambem á página principal onde tenho estado a publicar os vossos poemas . Basta clicar /timor do Norte a Sul (em azul no topo a seguir ao post a comment on)

Robiana Florencio said...

Timor ! Liberdade perdida" De Robiana Florencio

Meu amigo

Meu irmão !

Dá-me as tua mão!

Nele deposito esta pedra!

sinal de LIBERDADE!

Liberdade que quer fugir,

De Timor-Leste, terra martirizada!

D.Belo diz

seus filhos

 em guerra sonha!

Violencia sua cultura !

Timor, Meu irmão!

Meu amigo!

Dá-me a tua mão!

Diz ...violencia não!

Segura paz

contigo!

Diz , violencia ...

Não.

Toma esta pedra"

aperta no coração...

Timor meu irmão!

Segura a liberdade!

Não deixa fugir, Não!



Robiana Florencio
2/12/2006

Anonymous said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Anonymous said...

Resposta a Mau Dick
( Um possivel amigo de infancia é demasiada coincidencia)

Do Bairro dos Grilos 
a Taibesse ...

ou Kaikole dos Cadastrais...
Camisa branca ...Risca azul!

trotineta falhou!

Eu...Manecas!!!

lá dos montes de Fatu-Meta...

Tua salavação se transformou!

A hora chegou!

Vai Mau Dick Vai
...
que a menina Cortinhal !

por ti Nao pode essperar...Não

Ai ! quem te salvou?

Não a tua trotineta.

Mas o Manecas...

que sem bicicleta 
ficou..

Mau Dick Meu Amigo

Saudades dos tempos
Que já lá vão!
Então!
Meu mundo!
É solidão

De dor e tristeza ....

aperta-me o coração
!
sem amor...

sem firmesa...

Não mais por Fatu-Hada.

Nem Fatu-Metu !
Maus agoiros
....
minha Amada
 ...
Levou!!

Asim é a minha vida

sem Amada

nem bicicleta...


Mau Dick meu amigo

Talvez... só de ficção
...
Mas meu coração

Não falha não!


Amigos de infância 

Meu coração..
Não falha Não!!!



Um abraço


Manecas
5:03 PM

Maracuja Maduro said...

Caros amigos e leitores, aqui o nosso blog está a caminhar...lentamente como o caracol ...mas ESTÁ!

Acho interessane esta troca de mensagens do Mau Dick e do Manecas ...possivelmente dois amigos de infancia. Vmos lá a ver em que é que isto acaba.
Existem muitas dicas nos poemas , eu francamente ainda não consegui apnhar quem são, algu´m sabe?

Gostaria tambe]em de vos lembrar que os vossos poemas são publicados tamém na primeira pagina. Clica no endereço que se segue ,,,, ai então podem responder directamnete autor do texto em questão sem grandes problemas .

http://timordonorteasul.blogspot.com/

Um abraço do

Maracujá

Anonymous said...

Tenho lido tantos blogues e tenho algo a dizer sobre este.
Independentemente de os poemas, cumprirem ou não todas as regras , é deveras agradável visitar este blog.
O facto de nos apercebermos que aqui está um grupo de bloguistas que ainda cantam timor com muito amor é encorajador.
Também me apercebi que conseguiu por dois amigos em contacto.
Um abraço de parabéns pois este blog esta muito bem conseguido da
ai-funan taci

Maracuja Maduro said...

Aifuna Taci:

O seu comentário é deveras encorajador para os que lêm.
Os textos aqui passados vêm como disse das mais diversas fontes. Os poemas... cumprindo ou não as regras acadecadémicas que tanta dor de cabeça nos deu nos tempos do Liceu... são sempre agradáveis de ler.
Mas afinal a poesia é simplesmente aquilo que sente com rimas ou sem rimas, com métricas ou sem métricas... as palavras que transmitem é sentir é que contam...

Aifunan Taci! esta é para ti...

Com um cheiro a marsia ..
O sussurrar das ondas
Mansas ....shiu... shiu...
rolando na areia
gentilmente te acarecia!
Aifunan Taci
do meu Timor
Do Norte a Sul!...
Apenas me dá alegria...

Aifunan Taci do meu Timor...

Anonymous said...

ANTONIO DE LAUTEN VENDEDOR DE GELO

(A PROPOSITO DO ARTIGO DA NUTA SOBRE OS CUBOS DE GELO DOCINHOS)

AINDA EU ERA UMA CRIANCA
NA AZAFAMA DO VAI E VEM
UM CUBO DE GELO DOCINHO COMIA
VENDIDO PELO ANTONIO DE LAUTEM

COMECOU A VERGAR OS COSTADOS
COMO EMPREGADO DA FAMILIA ANES
ACABOU POR VENDER GELADOS
PARA A CASA VITORIA DO FUK SIN

NO SEU TRICICLO DE TRES RODAS
O ANTONIO PEDALAVA O DIA INTEIRO
VOLTAVA A CASA SEMPRE VAZIO
ELE ERA UM GAJO PORREIRO

HA QUE SE LEMBRAR A HISTORIA
DESTES HUMILDES PERSONAGENS
POIS TIMOR DE OUTRORA NAO ERA
SO PORTUGAL E BELAS PAISAGENS

UM ABRACO

MAU DICK

Anonymous said...

Com este poema me calo...
Nunca a aifunan taci mereceu tal atenção.
Do fundo do coração agradeço, mas não sei retribuir da mesma forma.
A única coisa que posso oferecer com a máxima sinceridade é que partilhamos o mesmo AMOR:TIMOR.
com toda a minha garra de mulher-timor, nas minhas preces só peço uma coisa
Paz para Timor.

Maracuja Maduro said...

Ai Funan Taci:

Va também à primeira página onde publiquei o seu comentário. Obrigado pela sua maravilhosa participação aqui no blog.

Maracujá Maduro

Anonymous said...

Minha Ilha ....de mar azul

aguas mansas de Bé Matan

Monte de Fatukama

Lá longe ...Ataúro

de saudade

Águas mortas, Kaikoli

Saudades, nada deixou!

A Colmera

Mal cheirosa

Em violencia especialista!

Minha ilha ...mar azul

aspira e sonha

por um ar pacifista

sem a Colmera malcheirosa,



Manecas

Anonymous said...

Ai Timor, Timor
Porque tanta dor
quando afinal,
tuas montanhas onduladas
cheias de cafezeiros em flor
cobertas dessse manto branco
antes de te cobrires desse fruto maravilhoso,
que depois de transformado...
nos consola delicia
e nos aquece numa noite fria
como um infindavel sonho de amor.

Anonymous said...

Hi, i feel that i saw you visited my weblog thus i got here to return the
favor?.I am trying to to find issues to enhance my web site!
I guess its adequate to make use of some of your concepts!
!
Feel free to surf my site :: weight loss recipes